Os alimentos são seguros para o consumo humano e não causam danos ao meio ambientePlaneta precisará produzir 60% mais proteína animal para alimentar sua população

Os alimentos produzidos com plantas geneticamente modificadas são seguros para o consumo humano e não causam danos ao meio ambiente, de acordo com análise feita por 50 cientistas e publicada pela Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos. Cerca de 20 cientistas elaboraram o relatório de 400 páginas, após consulta a mais de mil estudos científicos e avaliação de mais de 20 anos de dados sobre doenças e plantações. O foco do relatório foram culturas transgênicas importantes na economia americana.

O relatório conclui, com base em análises químicas, que os alimentos transgênicos não oferecem riscos à saúde. O grupo também avaliou a incidência de determinadas doenças, comparando suas taxas de ocorrência na América do Norte, onde os transgênicos são parte da dieta desde 1996, e na Europa Ocidental, onde os alimentos biotecnológicos estão pouco presentes. A conclusão é de que “não há evidências de aumento na incidência de câncer, obesidade, doença hepática, autismo, doença celíaca ou alergias alimentares”.

Sobre os impactos ambientais, o relatório diz que “não há evidência conclusiva de uma relação de causa e efeito entre culturas transgênicas e problemas ambientais”. O uso de variedades resistentes a insetos, segundo o documento, levou a uma redução do uso de inseticidas químicos. O uso de variedades resistentes a herbicidas, por outro lado, levou ao aumento do uso de agrotóxicos.

“A conclusão, depois de ler o relatório, é que as plantas transgênicas são mesmo apenas plantas. Elas não são o temível monstro apontado por outros”, comentou Wayne Parrott, professor de Ciências do Solo da Universidade da Georgia, segundo o jornal The New York Times.

Isenção
O documento diz que nenhum dos autores atua em empresas de biotecnologia que produzem transgênicos, embora alguns já tenham desenvolvido plantas geneticamente modificadas e tenham sido consultores dessas empresas.

Fonte: Globo Rural