Em vigor desde 18 de setembro, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD veio para mudar as relações entre as empresas e as pessoas. E isso é muito bom. “Sempre tivemos nossos dados, como CPF, coletados por farmácias, hotéis, eventos e outros estabelecimentos. E nunca nos preocupamos em saber o que fariam com nossas informações pessoais. Sem perceber, fornecemos dados importantes sem nos preocupar se realmente era preciso ser coletados e se seriam armazenados de forma segura”, alertou Karen Borges, advogada especialista em Direito Digital e Proteção de Dados no Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR – NIC.br, durante webinar da série ABMRA Talks, que teve como tema central “A comunicação do agro na era do Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). O que muda?”. Realização da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA).

Nos últimos anos, o vazamento de dados ocorre de maneira exagerada, sem controle. Os dados pessoais começaram a ser coletados sem controle e regras. Sendo compartilhados entre as instituições e empresas. Quase nunca foram armazenadas de forma segura. Essa divulgação sem controle das informações das pessoas trazem cada vez mais prejuízos aos titulares. “Por isso, a necessidade de uma lei específica para regulamentação da coleta, uso e proteção dos dados”, explica Karen Borges. 

“Para muitos, os dados representam o novo petróleo, o que gerou busca incansável por criar, administrar e negocias banco de dados. Dessa forma, antes da LGPD a regra era quanto mais dados nas mãos melhor. Hoje, menos é mais. Temos de começar a pensar cada vez mais em privacidade”, alerta a advogada. “Já tínhamos no Brasil algumas leis que tratavam o assunto de forma genérica, como a Constituição Federal, o Código de Defesa do Consumidor, entre outros. Mas era necessária uma lei específica. E ela chegou para oferecer segurança jurídica para os titulares dos dados, assim como para as empresas que os detêm e utiliza. “É um avanço. O Brasil  está entre os países preocupados com esse tema, sendo um dever e diferencial para as empresas atuarem em conformidade com a lei”. 

Para Reges Bronzatti, Diretor da Processor Soluções de Tecnologia para Negócios, advogado, Especialista em Direito Digital, Contratos e Negociações em Tecnologia e Mestre em Ciência da Computação, quando as empresas são transparentes, elas têm ganho de imagem e têm resultados melhores no seu campo de atuação.

“Temos de lembrar que todos nós transitamos dados pessoais e a LGPD veio para respeitar essas informações. Por isso, dados e negócios estão conectados: quanto mais eu estiver ligado a pessoas mais vendas vou fazer. É preciso respeitar a regulamentação legal, que diz: não abuse! Na LGPD, vende mais quem pergunta mais. E isso precisa ser feito até para saber mais do cliente”, destaca Bronzatti.

O Diretor da Processor Soluções de Tecnologia para Negócios explica que a LGPD é a consequência de como são feitos os negócios nos últimos 40 anos. “Quando passamos a perceber as mídias digitais, como o Facebook, influenciando as eleições americanas, por exemplo. Veja que relevante: uma empresa mudando algoritmo do Facebook para influenciar o voto das pessoas. Isso significa que chegamos ao ápice do exagero em termos de manipulação. Por isso, é importante ter a regulamentação”, explica.

Reges Bronzati lembra que o futuro será cada vez mais digital. “A LGPD tem de ser encarada como uma ferramenta de estratégia corporativa, na qual o dono precisa estar envolvido. Não adianta terceirizar para a TI ou o Jurídico. É extremamente importante ter comunicação e colaboração, contar com comitê multidisciplinar para falar de vários assuntos ao mesmo tempo, além de reduzir riscos e evitar o uso indevido de dados. Principalmente, é preciso mudar o comportamento do ser humano. As pessoas só mudam com alguma consequência ou prejuízo”, finaliza. 

Carlos Alberto Silva (Carlão), CEO do Grupo Publique e Diretor da ABMRA, lembra que negócios são feitos entre pessoas. “O relacionamento pessoal é o que gera mais venda. Não dispenso uma boa conversa com meus clientes e vejo que isso gera muito mais negócios. Nunca foi tão verdade fazer mais negócios com os mesmos clientes e isso acontece sempre que você escuta mais, conversa mais e pergunta mais. Aliás, perguntar mais esconde também uma necessidade, significa aprender a ouvir. Às vezes só perguntamos e não sabemos ouvir. E isso é fundamental. O fato de ser o mundo ser digital não significa ser impessoal. O digital ajuda, claro, mas em determinado momento é preciso perguntar. A LGPD normatiza essa relação entre as pessoas, entre as pessoas e as empresas e entre empresas. Isso é muito bom. Mas temos de sempre voltar à essência: nos comunicar melhor”. 

Para Max Lannes, Diretor de Digital do Canal Rural, o tema é importante e precisa ser mais discutido. “Todos precisam fazer o certo. O comportamento digital precisa ser como o comportamento físico, sendo correto. Isso é bom para o usuário, para as companhias e para todo o ecossistema. Além disso, falta à população ter esse conhecimento da nova lei. Ainda não existe clareza para o consumidor final. Falta um consistente trabalho de comunicação. O evento da ABMRA é importante para levar a cultura correta dos dados a todas as camadas”.

Alberto Meneghetti, Diretor da ABMRA, destacou a importância de entender como a entrada da LGPD fará com que as empresas se adequem às novas regras, além de traçar diretrizes de práticas de comunicação e comerciais. “Mais de 8% das empresas brasileiras ainda não estão preparadas para essa transformação. Por isso, temos de discutir e falar mais sobre os impactos e benefícios da lei de proteção de dados na relação entre agências, leads e clientes”.

O Webinar ABMRA Talks sobre a Lei Geral da Proteção de Dados está disponível no YouTube da ABMRA.