Dow AgroSciences realiza treinamentos em MG, GO e DF

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”Linha” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” custom_padding=”0px|||” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” column_padding_mobile=”on”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Olho – Destaque” background_layout=”light” text_orientation=”left” text_font=”||on||” text_font_size=”16″ use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

O Programa de Aplicação Responsável passará por mais de 200 cidades do Brasil!

[/et_pb_text][et_pb_text admin_label=”CONTEÚDO DO POST” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

Entre os dias 11 a 15 de julho, o programa desenvolvido pela Dow AgroSciences em parceria com a Universidade Estadual Paulista (UNESP) de Botucatu, capacitará profissionais envolvidos diariamente com a produção de sementes em propriedades nas cidades de Paracatu, Centralina e Tupaciguara, em Minas Gerais, Montividiu e Cristalina, em Goiás e no Distrito Federal. Já os treinamentos em Minas Gerais, voltados à cana-de açúcar, acontecem em propriedades nas cidades de Campo Florido, Delta e Uberlândia, passando pelas Usinas Coruripe, Delta e CMAA, respectivamente.

“O objetivo principal do Programa de Aplicação Responsável é realizar ações de extensão para apresentar aos produtores rurais os conceitos de boas práticas na aplicação de defensivos agrícolas, além de conscientizar e incentivar a adoção destas iniciativas, a fim de otimizar recursos, reduzir o impacto no meio ambiente e prover maior sustentabilidade para o agronegócio”, comenta a coordenadora de Boas Práticas Agrícolas da Dow AgroSciences, Ana Cristina Pinheiro.

Durante os treinamentos práticos, todos os participantes têm contato com o Simulador de Deriva, equipamento desenvolvido pela Dow AgroSciences, em parceria com a UNESP, e que possibilita simular condições reais de vento e tamanhos de gota das aplicações. Dessa forma, é possível visualizar o efeito do uso de cada tipo de equipamento – ponta e pressão de trabalho, de acordo com a velocidade do vento no momento da aplicação.

Fonte: AI

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]