O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou os dados de janeiro de 2022 do comércio exterior do agronegócio brasileiro. O ano começou com saldo positivo de US$ 7,7 bilhões na balança comercial do agronegócio. Enquanto as exportações do setor fecharam janeiro em US$ 8,8 bilhões, com aumento de 57,5% na comparação com o mesmo período do ano passado; o valor das importações caiu para US$ 1,1 bilhão, com queda de 15,5% frente a igual mês do ano anterior. Para a balança comercial total (com produtos de todos os setores), os resultados apontam déficit US$ 214,4 milhões.

A pesquisadora associada do Ipea Ana Cecília Kreter, coautora da nota com Fábio Servo e Rafael Pastre, ressalta que, apesar de tradicionalmente janeiro ser um mês com menos embarques, os dados mostram um cenário positivo. “Conseguimos chegar num patamar de exportação em janeiro muito melhor do que o período antes de pandemia”, disse. O setor exportou 37,1% a mais em 2022 do que na comparação com janeiro de 2019, período pré-pandemia de Covid-19, quando o Brasil exportou US$ 6,4 bilhões.

Apesar de janeiro ser um mês de poucos embarques do complexo soja – soja em grão, farelo de soja e óleo de soja –, estes produtos representaram US$ 1,6 bilhão dos US$ 3,2 bilhões a mais exportados em janeiro deste ano, com crescimento de 5.223,9%, 44,7% e 1.974,0% nos valores exportados frente a 2021, respectivamente. Os altos percentuais podem ser explicados pelo aumento no volume exportado – 4.853,6% somente a soja em grão. Além disso, o preço médio da soja segue numa trajetória de crescimento desde o ano passado. Como janeiro é um mês de entressafra do grão para o Brasil, qualquer incremento nos embarques impacta de forma mais acentuada no crescimento do valor e do volume.

O principal destino da soja em grão foi a China, que importou em janeiro US$ 991,6 milhões do Brasil. O estoque insuficiente para atender a demanda doméstica e a evolução crescente da pecuária chinesa explicam o desempenho nas aquisições do grão. Já a Índia, até então com participação marginal na contabilização de óleo de soja com o Brasil, incrementou os embarques do produto, com importação de US$ 188,6 milhões em janeiro de 2022, sendo que em janeiro do ano passado não havia importado este item.

A exportação de carne bovina teve aumento de 46,2% no valor e 25,7% no volume em janeiro deste ano. O milho, que teve a comercialização prejudicada pela quebra na segunda safra do grão em 2021, começou o ano com aumento de 45,6% no valor e 16,5% em quantidade. A carne de frango também apresentou crescimento de 42,8% no valor exportado frente a janeiro de 2021. O Brasil, que é o maior exportador mundial desta proteína animal, embarcou US$ 181 milhões a mais em janeiro deste ano, o que também contribuiu para o bom desempenho do setor.

Ao contrário das exportações, o país importou US$ 202,2 milhões a menos que 2021, o que corresponde a uma queda de 15,5% no total de produtos do agronegócio. Das 15 commodities acompanhadas pelos pesquisadores, 12 apresentaram queda na quantidade importada, e nove no valor, em janeiro frente ao mesmo mês do ano passado. O trigo segue liderando a pauta, com US$ 138,4 milhões. Mas a queda na quantidade importada de trigo é reflexo da boa safra brasileira em 2021. Assim como os produtos da pauta de exportação, a maior parte das importações apresentou alta nos preços médios em janeiro de 2022 frente a 2021.

Exceto o café, o açúcar e o algodão, os demais produtos da pauta de exportação acompanhados pelo Ipea apresentaram crescimento em valor e em quantidade na comparação com janeiro do ano passado. Ainda assim, os embarques nos próximos meses dependerão da safra atual. Os impactos do fenômeno climático La Niña e a produção dos principais países concorrentes do Brasil serão determinantes também para o desempenho da balança comercial do agronegócio em 2022.

Fonte: IPEA

Foto: Wenderson Araujo/Trilux