Já imaginou uma tecnologia com potencial para incrementar a produção de temperos e hortaliças e garantir mais qualidade à agricultura em áreas urbanas? Chamada de “mudas em stand-by”, a criação oferece mudas de qualidade e substratos apropriados aos produtores caseiros de temperos e hortaliças, além de conhecimentos técnicos para a realização correta da semeadura.

O aumento do tempo de armazenamento das mudas, que pode ser de meses, viabiliza a sua comercialização antes da germinação das sementes. Após passar por testes, a tecnologia aguarda agora o interesse de empresas para validar o uso em larga escala e chegar ao mercado.

A obtenção de mudas por meio da tecnologia de “mudas em stand-by” envolve duas etapas. Primeiro, é realizado o preenchimento do recipiente com o substrato e a semeadura, gerando o produto que será comercializado. A segunda etapa, que é realizada pelo consumidor, envolve o umedecimento e o desenvolvimento da muda em si, o que pode ser feito meses após a primeira fase. O tempo de armazenamento varia de acordo com a espécie da planta, mas os testes apontaram que é possível guardá-las por, no mínimo, três meses. “Algumas têm capacidade de sobrevivência maior do que outras. As mudas de tomate, por exemplo, chegaram a ficar até um ano armazenadas antes da germinação. As de couve, por outro lado, suportaram apenas três meses”, diz Marco Antônio Leal, pesquisador responsável pelo projeto.

Fonte: Globo Rural