Maio é o mês de vacinação oficial de aftosa na maioria dos estados brasileiros, de acordo com o Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa. Trata-se de uma doença contagiosa, que afeta bovinos, bubalinos, ovinos, caprinos e suínos, e pode provocar perdas econômicas expressivas à pecuária, decorrentes perda de produtividade de animais acometidos, abate sanitário dos animais doentes, queda drástica do preço da arroba do boi e fechamento de mercados à carne bovina brasileira. A Boehringer Ingelheim Saúde Animal reforça sua parceria com os produtores por uma pecuária cada vez mais produtiva, destacando a vacina Aftobov® que há mais de 50 anos protege o rebanho contra a febre aftosa.
“A febre aftosa já provocou muitos prejuízos à pecuária brasileira ao longo da história. Os pecuaristas não podem deixar de vacinar e, assim, correr riscos de surtos da doença.”, afirma Pedro Bacco, diretor de Grandes Animais da BI Saúde Animal.

No Brasil, 23 Estados e o Distrito Federal são considerados livres de aftosa com vacinação, o que significa 77,2 % do território nacional. São eles: Acre, Rondônia, Pará, Maranhão. Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal, Minas Gerais, Espirito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul.

Apenas o Estado de Santa Catarina é reconhecido como livre de febre aftosa sem vacinação.

Fonte: AI