Digital Farming é a nova revolução da agricultura moderna, uma tendência que promete mudar a forma de gerenciar as fazendas por meio de diversas tecnologias que possibilitam a tomada de decisão mais assertivas. E nesse cenário,  a Bayer lançou o aplicativo WeedScout, que reconhece plantas daninhas por meio de imagens tiradas com o celular. Com este app os produtores têm a possibilidade de identificar as plantas daninhas ainda nos estágios iniciais, quando o controle é mais fácil.

Nas últimas décadas, o desenvolvimento de plantas resistentes e de difícil controle tem tirado o sono dos agricultores. E com o WeedScout, ele poderá contar com um auxílio no combate à resistência uma vez que, ao reconhecer a matocompetição, mune o produtor de informações necessárias para que ele use o defensivo agrícola mais adequado. Com mais de 30 mil imagens registradas, o aplicativo conta um sistema de atualização colaborativa, ou seja, utiliza as fotos tiradas pelos usuários para aprimorar os seus algoritmos.

“A planta daninha é uma ameaça que pode prejudicar qualquer lavoura. Por isso, é imprescindível que a base de dados do aplicativo seja ampla, quanto mais imagens mais plantas serão identificadas e com maior precisão. É isso que aumentará a assertividade de identificação das espécies que já estão no WeedScout e a capacidade de reconhecer novas espécies. E queremos que isso seja feito de forma colaborativa”, comenta André Felli, gerente de Desenvolvimento de Negócios de Digital Farming da Bayer.

Fruto de um projeto global, este aplicativo – disponível para Android e iOS -, possui algorítimos de reconhecimento para as pincipais espécies de plantas daninhas. “Para formar este banco de dados, foram tiradas mais de 30 mil fotos em todo o mundo”, conta Felli. O WeedScout funciona sob o conceito de MVP, sigla em inglês para Minimum Viable Product, ou seja, mesmo depois de disponibilizado, o app continua a ser aprimorado de acordo com a experiência dos ususários. “Temos um time de pesquisadores especializados no tema que fazem a validação e aprimoramento dos algoritmos baseados no banco de dados conforme novas imagens são geradas”, completa o executivo.

Fonte: AI